░ FERTILIDADE

a nossa casa mãe é quali de goiabas
a projectar-se na floresta azul onde
o teu ventre se multiplica e se debate
em palavras molhadas de imensidão

tempos houve em que o teu rosto ausente
se embrenhou no plasma vigoroso que deteve
a morte inglória de teus frutos. Volto
à nossa casa mãe e o quali de goiabas

é o rosto de outras mães que saúdam as úluas
sozinhas e distantes na savana inquieta das ilhas

 

_
▪ Olinda Beja
(São Tomé e Príncipe, n. 1946)
in “Água Crioula”, Pé de Página Editores, Coimbra, 2007

 

Quali = cesto feito de vime (crioulo de STP)
Úlua = variedade de palmeira

Anúncios

░ FRAGILIDADE

Frágil o mar o sonho a utopia
A nossa emergência transparente de viver
Frágil a sombra do ôká
A fiá gleza
As plantações
Café cacau
Frágil o caminho que leva à verde casa
Frágil a mãe que ergue o dumo da coragem
E ergue o rio em sua voz magoada
E ergue a encosta crivada de matabala
E desce a foz de seus passos
E enlaça o corpo todo
No sangue rubro das acácias
Frágil o som da nossa voz
O ténue abraço que nos separa do amanhã
A hibridez de nossa pele nossos costumes
Frágil a enseada onde aportam
As jangadas de todas as raças

 

_
▪ Olinda Beja
(São Tomé e Príncipe, n. 1946)
in “O Cruzeiro do Sul”, Edição bilingue: Português/Castelhano, Editora El Taller del Poeta, Pontevedra ESP., 2011

░ MÃOS

límpidas mãos que na noite se erguem
pedintes de óbolos que outras mãos espargem

na rota do sândalo buscam essas mãos
a essência pura de África milenar

mãos esguias rudes mãos pretas de cor
lívidas de pensamento
doridas mãos que embalaram sóis
e luas e estrelas
e vidas sem porvir
mãos que desenharam rostos e palavras
e todas as cores das aves solitárias
mãos que colheram café e gengibre e fruta-pão
mãos doces como mel de abelhas em cresta de junho
profundas e místicas como amêndoas do Shara
mãos que acenderam lamparinas
para varrer da noite a escuridão
mãos que adormeceram como borboleta
em cima de uma flor
mãos de avó, de mãe, de irmã
mãos de todas as mulheres que carregam nas costas
a imortalidade do universo
para vós este poema
perfumado de cajamanga

 

_
▪ Olinda Beja
(São Tomé e Príncipe, n. 1946)
in “Aromas de Cajamanga”, Escrituras Editora, São Paulo – Brasil, 2009