░ CARTA DE BEATRIZ A DANTE

 

(Em um dia impossível de precisar)
 

Por vontade divina
nos une a memória.
A sombra próxima do teu tormento
se mescla com a minha
brandamente como se entrasse no paraíso.
Agonia!
emerges do fundo dos séculos.
Se pudesse lançaria teu nome
aos braços infinitos da noite.
Livre
seria uma ave intocada pelo céu.
Esguia sombra
fulguras desterrada.
Quando retornares ao paraíso
será meu rosto
uma visão com velas
acesa em desolação.
Será meu corpo
um traje rumoroso
sobre ossos luzentes.
Que fatalidade
encadeia a alma
com as ilusões falidas?
É bom guardar silêncio
Quando se viu o fogo
cair do céu.

 

_
▪ Lauren Mendinueta
(Colombia, n. 1977)
in “Poesía en sí misma”, Universidad Externado de Colombia, Bogotá, 2007

Mudado para português por _Gustavo Petter_ (Poeta e tradutor), mora em Araçatuba/SP-Brasil, trabalha como professor da rede estadual. Mantém o blog agradaveldegradado.blogspot.com.br



VERSÃO ORIGINAL /VERSIÓN ORIGINAL

 

CARTA DE BEATRIZ A DANTE
(En un día imposible de precisar)

 

Por voluntad divina
nos une la memoria.
La sombra de tu cercano tormento
se mezcla con la mía
blandamente como si entrara al paraíso.
¡Agonía
emerges desde el fondo de los siglos!
Si pudiera lanzaría tu nombre
a los brazos infinitos de la noche.
Libre
sería un ave no tocada por el cielo.
Espigada sombra
fulguras desterrada.
Cuando retornes al paraíso
será mi rostro
una visión con velas
encendida en desolación.
Será mi cuerpo
un traje rumoroso
en los huesos lucientes.
¿Qué fatalidad
encadena el alma
con las ilusiones fallidas?
Es bueno guardar silencio
cuando se ha visto al fuego
caer del cielo.

 

_
▪ Lauren Mendinueta
(Colombia, n. 1977)
Poema del libro “Poesía en sí misma”, Universidad Externado de Colombia, Bogotá, 2007

 

Anúncios

░ BOGOTÁ, DEPOIS DE UMA VISITA A HELENA IRIARTE

Não há relação entre as coisas
e aquilo que as encarna.
A realidade acaso é um vazio
e o reflexo nos espelhos
a evidência de sua precariedade.
Os homens vão pelo mundo
retratando a angústia de não ser o que nomeiam.
Pessoas correm perseverantes rumo aos vagões do metrô
ou dos ônibus porque a vida depende de um conceito.
Tampouco a pontualidade corresponde a sua palavra,
Pois não se pode chegar com atraso ao destino.
É possível que convivam alma e corpo?
não serão um binômio inseparável
uma só coisa que não sabemos nomear ainda?
Nestes temas, como em tantos outros,
me atropela a retórica,
e volto a me perguntar se será possível
nada mais viver.

 

_
▪ Lauren Mendinueta
(Colombia, n. 1977)
in “Del tiempo, un paso”, Editorial Denes, España, 2011

Mudado para português por _Gustavo Petter_ (Poeta e tradutor), mora em Araçatuba/SP-Brasil, trabalha como professor da rede estadual. Mantém o blog agradaveldegradado.blogspot.com.br



VERSÃO ORIGINAL /VERSIÓN ORIGINAL

 

░ BOGOTÁ, DESPUÉS DE UNA VISITA A HELENA IRIARTE

 

No hay relación entre las cosas
y aquello que las encarna.
La realidad acaso es un vacío
y el reflejo en los espejos
la evidencia de su precariedad.
Los nombres van por el mundo
retratando la angustia de no ser lo que nombran.
La gente corre afanada hacia el vagón del metro
o el autobús porque la vida depende de un concepto.
Tampoco la puntualidad corresponde a su palabra,
Pues no se puede llegar con retraso al destino.
¿Es posible que convivan alma y cuerpo?
¿no serán un binomio inseparable,
una sola cosa que no sabemos nombrar aún?
En estos temas, como en tantos otros,
me atropella la retórica,
y vuelvo a preguntarme si será posible

nada más vivir.

 

_
▪ Lauren Mendinueta
(Colômbia, n. 1977)
Poema del libro “Del tiempo, un paso”, Editorial Denes, España, 2011