░ Coloco sobre a mão a luz para que o rosto me deslumbre

Coloco sobre a mão a luz para que o rosto me deslumbre nesse jogo de sombras.
É um meridiano amargo o sangue que une agora os nossos corpos – as aves
afadigam-se sobre os ninhos, neste inverno.

A minha mão vazia segura uma escada para o teu corpo,
um tapete de lume ferido pela obscuridade –

enquanto que da alma tudo ignoramos.

 

___
▪ Jorge Velhote
(Porto, n. 1954)
In “Máquina de Relâmpagos”, Edições Afrontamento, 2005