░ Papel amarrotado

Papel amarrotado desse chá que tomaste
na tarde de qual dia, ou o copo de vidro
depressa transformado na total transparência,
não é que inexistente, mas de mínima espessura
sobre o cais deste porto onde ninguém aporta,
não o papel rasgado, não o desfeito em fogo,
incolor, inodoro, antraz ignoto, anuro,
coisa que sim, que é, mas já não o que foi,
vazia intensidade, inútil excrescência
da vida tilintante
_____________________– eis o que tenho agora
quando o dia amanhece e cai no saco roto
da débil complacência com que já não me vejo

 

_
▪ Pedro Tamen
(Lisboa, n. 1934)
in “Retábulo das Matérias”, Editora Gótica, Lisboa, 2001

Anúncios