░ Memória de Antonin Artaud

Não me reconheço entre os homens
porque são eles os demolidores do meu pensamento

Não participo desta razão comum de existir
porque luto dia a dia com sons e signos ocultos
para a invenção doutra linguagem
que não descobrirei
— sei-o perfeitamente —
mas a necessidade de estar só
dentro de um universo opiado e infinito
obriga-me a estender os cabelos no exílio

 

_
▪ António Barahona
(Lisboa, n. 1939)
in “Pássaro-Lyra”, Averno, Lisboa, 2015

Anúncios

One thought on “░ Memória de Antonin Artaud

Os comentários estão fechados.