░ Se não houver camélias traz-me azáleas

Se não houver camélias traz-me azáleas
dessas que um velho nos açores me garantiu
nascerem apenas para serem esmagadas entre
as folhas dos livros que um dia
lemos com o homem amado

e por muitas palavras que os livros tenham
dizia ele vai ver
que só o seu nome nele ficará impresso
por noites e noites a haver

era bom que a nossa história
terminasse um dia assim
– o teu nome intacto
para sempre
nas azáleas
do nordeste
em abril

 

_
▪ Alice Vieira
(Lisboa, n. 1943)
in “Revista Fanzine”, nº. 10, Editor: Francisco José Craveiro de Carvalho, Coimbra 2015

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s