░ Onde o rigor atinge o seu limite

Estou perto de uma encruzilhada.
Há, nela, um
cadáver de versos e uma ave.
Couberam-me por sorte
uma vez que eu própria os assassinei
e esse crime voou pelas palavras do meu sonho
varrendo o ar
alucinado.
Ecoam ainda, os seus gritos, pelos
caminhos.
Ouvem-se as suas vozes dizer: – Esquece o teu coração
___pueril.
Pertences à noite e és suspeito
de loucura maior que a dos teus pesadelos – a de cravares
um punhal no remorso que te devora.
És um corvo.
Alimentas o terror e a passividade
da cova onde te permito enterrar-me viva,
para que a minha carne
possa ser consumida
pelo teu mais infame
poema.

 

__

▪ Eduarda Chiote
(Bragança, n. 1930)
in “Orgãos Epistolares”, Edições Afrontamento, Porto, 2010

Anúncios

One thought on “░ Onde o rigor atinge o seu limite

Os comentários estão fechados.