░ III (Grande Hotel de Paris)

A morte, claro. Existem porém
dias grandes, irredutíveis a versos,
em que a indecisão da luz
nos açoita de felicidade.

São dias raros, futuras
imagens do nada, o suficiente
para que a palavra amor substitua
o primeiro cigarro da manhã.

Chegámos tarde. O quarto 203
trazia-me de novo o teu corpo.
E até a música dos sinos
vinha deitar-se connosco.

 

__
▪ Manuel de Freitas
(Santarém, n. 1972)
in “A Flor dos Terramotos”, Edições Averno, Lisboa, 2005

Anúncios