░ No vagar dos rochedos

Eu ia devagar.
Caminhava por dentro dos rochedos e seguia
o acre fio das algas particulares
que eu – ao mesmo tempo comovido e cansado-
lambia como se sustento fossem
de um viagem longa, atribulada.

No som vertiginoso que se ouvia
e ecoava desde muito longe
até às grandes e clamorosas aberturas
descidas de repente sobre o mar,
sentia-me a pairar no coração das turfas
que se vestem de alegria.

___________________ Ou seja,
que brandamente seguem a luz íntima
que vai da consciência à temperança.

Em vão eu tentaria ali lembrar (recuperar)
as outras tristes músicas:
o deve e o haver doutros tumultos
e mesmo as renúncias que são dores
que roem todo o corpo e o desgastam.

Eu ia devagar.
Passava por caminhos que, de facto,
poisos eram, clamorosas aberturas.

E dissolvia-me no mar.

 

__
▪ João Rui de Sousa
(Lisboa, n. 1928)
in “Enquanto a noite, a folhagem”, Editora Tertúlia, Sintra, 1991

Anúncios